O cartaz em nossas vidas

O cartaz nada mais é do que um suporte, geralmente em papel que é afixado em locais públicos e sua principal função é de divulgar uma informação, mas também tem sido apreciada como uma peça de valor estético.  Além da sua importância como meio de publicidade e de informação visual, o cartaz possui um valor histórico como meio de divulgação em importantes movimentos de caráter político ou artístico.

Os primeiros prospectos de cartazes foram desenvolvidos ainda no século X por meio de xilogravuras, obtidas através da impressão de matrizes de madeira pelos povos orientais.

Jules Chéret a mostrar o seu trabalho a Henri de Toulouse-Lautrec

Na época renascentista, o primeiro cartaz conhecido é de Saint-Flour, de 1454, feito em manuscrito, sem imagens. Mas foi somente no final do século XIX que a arte de reunir textos e ilustrações numa folha de papel alcançou maior projeção ao ser propagada pelos mercadores europeus, assim como um alto grau de sofisticação pela mão de artistas plásticos da época. A integração entre produção artística e industrial é uma herança da carreira de Jules Cherét. Filho de um compositor tipográfico e aprendiz de um litógrafo em Paris, foi em Londres que estudou as técnicas mais recentes da altura. De volta a Paris em 1860, Cherét gradualmente desenvolveu um sistema de 3 a 4 cores de

Cartaz de J. Chéret, 1895

Cartaz de J. Chéret, 1895

impressão.

Cartaz de Saint-Flour, 1954

O estilo de Cherét atingiu o seu auge por volta de 1880 e foi adotado e desenvolvido por outros artistas como Pierre Bonnarde e Toulouse-Lautrec.

Reconhecido por retratar cenas da vida nocturna e do submundo parisiense, Toulouse-Lautrec, por exemplo, assinou centenas de cartazes de divulgação de espectáculos de cabaré, então reproduzidos através de pedras litográficas. Foi nas mãos de Toulouse-Lautrec, através do toque impressionista que a arte publicitária alcançou popularidade.

A litografia colorida tornou-se assim disponível no final deste século, possibiltando aos artistas da época trabalhar directamente na pedra, sem as restrições da impressão tipográfica. Este avanço tecnológico foi responsável pelo florescimento e difusão dos cartazes impressos.

O cartaz La troupe de mademoiselle Elandine (1895/96) é um bom exemplo de influências do art nouveau

O cartaz La troupe de mademoiselle Elandine (1895/96) é um bom exemplo de influências do art nouveau

Moulin Rouge,  Henri de Toulouse-Lautrec, 1891

Moulin Rouge, Henri de Toulouse-Lautrec, 1891

O cartaz começou a fazer parte da política no século XX.  Principalmente após a revolução de 1917, quando o sistema socialista foi implantado e o pôster de propaganda em massa começou a ser utilizado em larga escala pela agência de propaganda e difusão ideológica da União Soviética.

Na propaganda observam-se correntes artísticas diversas. O presente construtivismo é uma delas, apesar de algumas serem quase surreais ou meramente ilustrativas e diretas.

É possível observar com clareza a mudança de traços, temas e idéias de um período para o outro: a simples propaganda leninista destinada a uma população ignorante e emergente, a stalinista dos planos econômicos, a stalinista de guerra, as de apelo pacifista de Khrushchov, às da cruzada pela reafirmação ideológica da era Brezhnev e por fim o período com uma das maiores produções, a de reformas e liberdade, da era Gorbachev.

Lester Beall

Lester Beall

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s